O ano é 2027.

Seu filho de 7 anos está ao seu lado e pede para ver fotos daquela viagem especial, quando todos foram juntos visitar um parente distante.

Você encontra numa gaveta aquele velho DVD com as fotos da sua viagem. Pensa que há pelo menos cinco anos não lembra de ter visto algum aparelho com leitor de DVD. Olha mais fundo e encontra o iPhone da época, que já não funciona mais com as tecnologias atuais.

Tudo o que você tem é um pedaço de plástico inútil. Para não mencionar que está todo riscado e sujo e que, provavelmente, não funcionaria mesmo que você tivesse um aparelho de DVD em casa.

O Instagram foi comprado por uma empresa de tecnologia chinesa e o serviço passou a ser cobrado. Você estava sem grana na época e acabou o deixando de lado. Perdeu o acesso à sua conta e, com isso, todas as suas fotos. Incluindo aquelas do nascimento do seu filho.

Os parágrafos acima são hipóteses sobre o futuro da geração mais fotografada da história que não terá fotos em 10 anos. O seu futuro não precisa ser assim. Você pode e sempre poderá revelar suas fotos.

O ano é 2017.

As câmeras estão em todos os lugares. Celulares, tablets, DSLRs. Você não pode escapar das selfies. Elas estão no Facebook, Instagram, Pinterest. Nunca se tirou tantas fotos. Estima-se que nos últimos cinco anos mais fotos foram tiradas do que em todos os anos da história da humanidade somados.

A parte triste disso tudo é que poucas dessas fotografias sobreviverão além de um ano. Ou vai dizer que recentemente você não teve que apagar algumas fotos do seu celular porque o armazenamento estava cheio?

Soluções digitais não são permanentes

Se pais continuam querendo registrar cada nova façanha de seus bebês e continuamos clicando nossas viagens como loucos, o que será de todas essas fotos tiradas hoje?

Estima-se que 1 a cada 100.000 fotos tiradas hoje sejam reveladas. Você provavelmente tem inúmeras imagens que estão armazenadas em algum dispositivo de modo totalmente desorganizado. Aliás, a tecnologia mudou tão rápido que você certamente tem fotos salvas em algum tipo de mídia que não é mais utilizado hoje, como os DVDs, por exemplo.

Talvez você tenha compartilhado algumas fotos no Facebook ou no Instagram, mas nenhuma dessas soluções é permanente. Onde estão suas fotos da época do Orkut ou do Fotolog?

Existem também cartões de memória lotados de fotografias. Cada um deles representa uma fatia da sua vida. Alguns são mais antigos e, hoje, você tem menos opções para utilizá-los. Alguém lembra dos cartões SD de 256 MB? Hoje um cartão com 4 GB de armazenamento é considerado minúsculo.

Você não acha frustrante quando sua mãe pede para ver aquela foto tirada em tal viagem e você simplesmente não a encontra? Aposto que você não tem um álbum de fotografias com seus DVDs ou um cartão de memória num quadro pendurado na parede.

Revelar fotos é recordar momentos

Fotografias simples da família num feriado, os primeiros passos do seu bebê, aquela viagem inesquecível. Apenas quem já abriu um sorriso recordando momentos ao folhear um álbum de fotografias sabe que uma foto é tão valiosa que não merece o questionamento de se “esse tipo de arquivo ainda é suportado” ou se “meu computador ainda tem unidade de DVD”.

Através da fotografia conseguimos nos transportar para o momento em que as fotos foram tiradas e sentirmos novamente aquelas emoções. Fotografias devem ser reveladas e viver por gerações.

Onde estão suas fotos?

Que tal imprimí-las imediatamente? Encontre um lojista perto de você e retire hoje mesmo suas fotos.


Se quiser salvar este post para ler depois, salve a imagem abaixo no seu painel do Pinterest! Aproveite e siga nosso perfil por lá clicando aqui!

geração mais fotografada da história não terá fotos em 10 anos

Cofundador da Revelaí e do be freela. Matheus é um nômade digital que escreve e empreende. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Você também pode ler seus conteúdos no HuffPost, no Transformação Digital e na Comunidade Rock Content.